Sábado, 4 de Outubro de 2008

Contratempo

 

Neste momento a " História Devida" está num impasse, ou melhor sofreu um irritante revés.

Privados do nosso espaço de divulgação das histórias, a rádio, vamos ter de nos reinventar procurando outras formas de chegar ao público

A todos aqueles que gostavam do programa e que foram ouvintes fiéis e a todos que ao longo de quase três anos o alimentaram com os seus textos o nosso obrigado

 

Até ao fim do ano vamos organizar um encontro com todos os que nos têm acompanhado para entre outras coisas vos informar do novo formato da HdV , que passará inevitavelmente por uma maior utilização da NET e deste Blog que por sua vez também irá beneficiar de modificações.

 

Mas até lá gostaria de vos deixar com um poema que sempre quis ler no programa mas que por uma razão ou outra fui adiando e claro como tudo na vida tem uma história: Há dois anos  fui convidado para presidir á sessão de entrega de prémios de um concurso de escrita na prisão Hospital de Caxias. Eram bem entendido textos escritos pelos reclusos. A mim cabia-me entregar os prémios e ler os trabalhos dos três primeiros classificados e bom lá fui com a maior das curiosidades e boa vontade. Mas o poema que ganhou o primeiro lugar deixou-me profundamente impressionado, era bom era mesmo muito bom. O autor era um jovem recluso de ar tímido e que pelo que soube há poucos dias já se encontra em liberdade.

 

Na altura pedi-lhe autorização para o ler e ele deu-ma peço desculpa por nunca o ter feito.

 

Isto faz-me lembrar outra história mais antiga também passada numa prisão: Uma companhia de teatro profissional Americana- julgo que de S. Francisco- decidiu representar para os reclusos de uma prisão estadual " Á Espera de Godot " . No fim da peça e sem que nada o fizesse esperar tiveram uma ovação estrondosa (aliás a peça mudou para sempre a vida de um dos presos que mais tarde após ser libertado se veio a tornar actor profissional e intérprete de algumas peças de Beckett com o apadrinhamento do próprio que o considerava um interprete muito capaz dos seus textos). 

 

Seguiu-se o debate com a audiência, e claro o tema principal recaiu sobre quem seria o misterioso Godot  de Beckett. Ás tantas um dos prisioneiros levanta-se e diz apenas " Todos nós aqui entro sabemos muito bem quem é Godot".

 

O debate acabou ali.

 

Até amanhã e boas Histórias.

Miguel

Nuno

Inês

 

  

Um Pouco de ti

Atormenta-me a noite, a tua ordem ...


De que me serviu servir? ... Fui sem ser nem ter ido.
Quem me quis roubou-me. Para quê tanto e tudo?
Eu que pus grades na alma e tectos nos céus dos meus sonhos ...
Vou sorrindo ... pois ... tudo o que é grande cabe num sorriso


E ser-se feliz no corpo é já ser-se feliz na alma.
Nos céus tenebrosos da culpa, a fúria; na terra dos sonhos e nos mares distantes, a
calma.


Cabe-me neste olhar distante centenas de anos de frustrações e angústias. Milhares de


anos de pressão sobre mim, profanos
Labaredam-me os olhos com memórias orquestradas de festim
E me suspiram de recordações, a alma, um sopro sem fim.


Naquele fim longínquo onde finda o clarão, nesse horizonte acaba-se-me também a
mim a ilusão e termina a solidão.
E não é ela, não, são todas, tudo é vago e fugaz.
Quem fez da vida o que queria? Quem não foi o que a vida faz?
Onde foste que eu fui; onde foi que me perdi?
Transversal ao mundo andei, livro que folheei e não li
Enganado, enganei, sem querer, fiz ....
Quem faz o que quer? Quem faz o que diz? ..
Na indecisão, ao menos, finge que sorris.
Enquanto o teu sorriso durar, um pouco de ti é já feliz.


Perante o assombro, da vulgaridade, da vida (e como é violenta, negada ... !)
Sempre a pergunta antes da resposta, sempre o segredo por baixo da carta lacrada
Sempre o tempo à frente dele próprio a dar corda ao coração
Oh destino mostra-me o caminho, mostra-me o rosto, dá-me a mão.


Mas diz-me até onde estica a dor, quando parte a corda do sofrimento?
Se a vida não é em verso, será perverso o teu contento?


Balança a balança, sem trapaça nem graça, no despojo lança e à má sorte me laça.
Traz-me as novas que prega na praça e por lá bafeja a desgraça.
Saudade ... De mim ... Cantas, sentimento puro, que estrafega, asfixia.
Sorrirás tu à desgraça? Só para que de ti ela não se ria ... ?


E dito isto, gritando, jogou a ampulheta no chão.
E depois do último grão de areia que caiu
Olhando despedaçados pedaços de tempo ali jogados em vão -ou não -sorriu.
Como quem empurra a alma de ter tido, para já ser feliz, no cimo de ter.
 

 

Publicado por Produções Fictícias às 20:57
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
4 comentários:
De amélia palma a 6 de Outubro de 2008 às 15:13
Caríssimos
é uma pena que o programa acabe, ainda para mais sem uma explicação, sem aviso prévio - ou escapou-me alguma coisa?
Deixei-vos no endereço indicado um comentário mais longo...
Foi um óptimo programa e muita gente irá lembrá-lo, isso é o que vos asseguro.
AP
De Pata Negra a 6 de Outubro de 2008 às 23:24
Ninguém estava a fazer conta; estava na flor da idade; um fim prematuro; é a vida; tudo tem um fim.
Ficamos à espera porque há histórias que têm de ser contadas.
Um abraço devido
De Teka a 14 de Outubro de 2008 às 16:42
Fiquei muito triste. Ouvia o vosso programa em podcast. Era um espaço muito interessante de partilha e de aprendizagem com as experiências dos outros. Por favor tentem reinventar o projecto e fazê-lo de novo chegar a nós ouvintes.
Há decisões que não se entendem...
Mas terá que ser sempre assim?
Tanto "lixo" radiofónico que não acaba.
Será que estamos a nivelar por baixo?
De qualquer forma parabéns pelo que nos deram ao longo dos últimos 3 anos.
um abraço para toda a equipa
Teresa Diniz
De Mário Fanfas a 26 de Outubro de 2008 às 23:12
Isto não se faz, caraças!...

Comentar post



Com apresentação de Inês Fonseca Santos, Miguel Guilherme e Dinarte Branco, A História Devida baseia-se num conceito do escritor Paul Auster e pretende dar a conhecer histórias reais das vidas de todos nós.

Histórias de amor, de amizade, de saudade, histórias alegres, bonitas, eufóricas, histórias de paisagens, sonhos ou lugares. Histórias curtas e reais.

Pesquisar

 

HISTÓRIAS DEVIDAS



Procure na sua livraria o 1º livro de compilações de histórias do programa: Histórias Devidas, da Edições ASA.

A HISTÓRIA DEVIDA

Todos os Sábados, por volta das 22h35, no Canal Q.



Envie as suas histórias para: historiadevida@gmail.com ou para

A História Devida - Produções Fictícias – Travessa da Fábrica dos Pentes, nº 27, R/C 1250-105 Lisboa

OUVIR

Links

HISTÓRIA DEVIDA NA PÚBLICA

Veja aqui todas as Histórias Devida editadas na revista Pública.

Arquivo

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

blogs SAPO

subscrever feeds